O poder das cores nas nossas vidas. # Azul

Todo mundo tem uma cor preferida, pelo menos. Porém, nem todos sabem dizer o porque gostam de tal cor e o poder das cores nas nossas vidas. Não se engane, não tem nada de ingênuo nas cores que você vê no dia a dia ao ligar a TV, ao abrir um aplicativo de alguma rede social ou até a embalagem de algum produto. Nos post dessa categoria, uma resenha sobre as cores, características , informações principais e como elas afetam nossas vidas. Começarei pelas mais preferida, depois as menos apreciadas. Vale ressaltar que usei como referência para a resenha o livro Psicologia das cores, que foi um dos primeiros livros que comentei aqui no blog. Vou deixar o link no fim do post, para quem tiver interesse em saber com detalhes sobre as cores e alguns artigos científicos falando sobre as cores.

Azul

A cor predileta da galera, cor da simpatia, harmonia e fidelidade. Atualmente, existe 111 tons de azul. O significado mais importante do azul está no simbolismo das cores, nos sentimentos que vinculamos ao azul. O azul é a cor de todas as características boas que se afirmam no decorrer do tempo, de todos os sentimentos bons que não estão sob o domínio da paixão pura e simples, e sim da compreensão mútua. Não existe sentimento negativo em que o azul predomine, nas residências, o azul é frio; porém, por seu efeito calmante, é uma cor que se adequa bem aos dormitórios. Portanto, não é de se estranhar que o azul seja uma cor tão querida.

A cor da simpatia e da harmonia

O azul muitas vezes é nomeado como a cor da simpatia, da harmonia, da amizade e da confiança. Esses são os bons sentimentos, aqueles que só se comprovam em longo prazo, florescendo, em geral, com o passar do tempo e tendo sempre como base a reciprocidade. Por que será que a maioria das pessoas relaciona a cor azul a esses sentimentos, que são, na verdade, incolores? Será que as pessoas simplesmente transportam suas cores prediletas às melhores qualidades? É que quando associamos sentimentos a cores, pensamos em contextos muito mais amplos. O azul é o céu – portanto azul é também a cor do divino, a cor eterna. A experiência constantemente vivida fez com que o azul fosse a cor que pertence a todos, a cor que queremos que permaneça sempre imutável para todos, algo que deve durar para sempre. 

O azul divino

Os deuses vivem no céu. Azul é a cor que os rodeia; por isso, em muitas religiões o azul é a cor dos deuses. As máscaras douradas dos faraós têm cabelos e barba azuis. É o azul da pedra semipreciosa chamada lápis-lazúli, uma pedra sagrada. O deus egípcio Amon tem, inclusive, a pele azul, para que possa voar sem ser visto. Também Vishnu, deus hindu que aparece em sua forma humana como Krishna, tem a pele azul, como sinal de sua origem celeste.  No mundo mediterrâneo e no Oriente Próximo, é muito comum o amuleto do “olho mágico”. Trata-se de um olho redondo e estilizado, circundado de azul. É o olho de Deus. Diz-se que simples contas de vidro azul também protegem de todos os males. Em virtude de as cúpulas das igrejas simbolizarem a abóbada celeste, elas costumavam ser pintadas de azul. Na religião dos judeus, o céu é o trono de Javé, e consiste de uma safira. As cores do sionismo são o azul, do divino, e o branco, da pureza; desse modo, a bandeira de Israel é branca com a estrela, azul, de Davi.

O azul feminino

De acordo com a tradição antiga, o azul simbolizava o princípio feminino. O azul é plácido, passivo, introvertido; no simbolismo ele pertence à água, que também é um atributo feminino. Em todas as línguas há nomes que são tirados das cores. A algumas cores correspondem predominantemente nomes de meninas, a outras, nomes masculinos. Esse é um indício para que se possa saber se uma cor, na simbologia, é masculina ou feminina. O azul pertence, sem sombra de dúvida, aos nomes das meninas. O azul como cor feminina teve sua importância fundamental na pintura antiga, por ser a cor simbólica da Virgem Maria, a mulher de maior destaque no cristianismo. Maria foi a figura mais pintada da trindade cristã. Azul é sua cor.

Abaixo segue algumas marcas bem conhecidas que usam o azul com branco que é  o acorde da pureza e do tranquilizador. 

Em relação ao uso das cores para conseguir algo, por exemplo: usar amarelo no ano novo para chamar dinheiro, não existe nada comprovado. Segundo Leandro Karnal, isso não existe, nenhuma cor tem o poder de te trazer algo. Todavia, as pesquisas trazidas no livro Psicologia das cores demonstram que o sentimento e as cores não se combinam ao acaso nem são uma questão de gosto individual – são vivências comuns que, desde a infância, foram ficando profundamente enraizadas em nossa linguagem e em nosso pensamento. 

 

Referência

Heller, Eva. A psicologia das cores:como as cores afetam a emoção e a razão. 1 ed.  São Paulo:Gustavo Gili. 2013.

Psicologia das cores.

A influência das cores na decisão de compras: um estudo do comportamento do consumidor no ABC paulista.

A psicodinâmica das cores aplicada na publicidade e comunicação visual.

A influência das cores na construção das marcas e publicidade.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s